12 de novembro de 2015

FUI VER 007 Contra Spectre

Gosto dos filmes dos 007 desde a época em que eu era bem moleque, não usava óculos e ainda tinha muuuuito cabelo, ou seja, tem muito tempo isso, foi o meu avô materno que apresentou o mundo de James Bonde com os filmes do Roger Moore e do Sean Connery, não lembro de tudo, faz anos que não revisito os antigos filmes, mas foi com essa franquia que aprendi a me apegar ao personagem e não a quem interpreta ele, então pouco me importo que ator vai interpretar James Bond, desde que faça um bom trabalho e honre o título 007, está tudo bem para mim.

Então, lá no meio da década de 1990, vieram os filmes com o Pierce Brosnan, que desde o primeiro queria dar a impressão de ser sério, mas era bem exagerado em alguns momentos que não tinha como levar a sério, isso só foi piorando, até chegar naquela bomba de filme que foi o 007: Um Novo Dia para Morrer, não que tenha deixado de gostar dos primeiros filmes com ele ou que nenhum deles tenha sido bom, mas esse último foi ruim demais. rs

Quando o ator Daniel Craig assumiu o posto como o novo 007, fiquei muito impressionado e satisfeito com o que estava sendo apresentado, um Bond mais sério, mais real, mais brutal, sem aquelas bugigangas exageradas (carro invisível nunca mais. \o/ ), enfim, algo que você e fala, "é forçado, mas não é tão impossível assim, gostei.", Cassino Royale foi um baita filme de origem e recomeço; Quantum of Solace sofreu por causa dos roteiristas em greve na época e o filme não teve uma história tão boa assim; ai veio Skyfall, e que filme lindo, quase tão bom quanto o primeiro filme dessa nova fase; agora chega nos cinemas o quarto e provável último filme com Daniel Craig no papel do espião, 007: Contra Spectre (007 Spectre).

A sinopse do filme é a seguinte: "James Bond recebe uma enigmática mensagem do seu passado, que o coloca na trilha de uma organização sinistra. Enquanto M enfrenta forças políticas para manter o Serviço Secreto na ativa, Bond investiga pistas que escondem uma terrível verdade por trás da organização SPECTRE.", Sam Mendes é o diretor responsável por Spectre, que também foi responsável pelo filme anterior, o excelente 007: Skyfall.

A história de Spectre começa com James seguindo pistas sobre uma organização secreta e com a intensão de cumprir a última ordem dada pela M, que morreu em Skyfall, temos a tradicional abertura inicial dos filmes do 007, ela é bem legal, se passa na Cidade do México durante o Dia do Mortos, tem uma boa sequência de ação, luta dentro de helicóptero, fachada de prédio desabando, mas a abertura que mais gosto dos novos filmes é a do Cassino Royale e depois a do Skyfall, a música tema do filme é legalzinha (Sam Smith - Writing's On The Wall, clipe.), mas difícil superar a música tema do Skyfall (Adele - Skyfall, relembre.). A história em si do filme é boa, mas deixa a desejar em alguns momentos, como a subtrama que envolve o novo diretor M (Ralph Fiennes) do MI6 e C/Max Denbigh diretor do MI5 que se fundiu com a MI6 e quer acabar com o programa 00, subtrama que tem relevância para o contexto geral da trama principal, mas que é mal desenvolvida e acaba sendo uma história desinteressante.


Por falar em ser desinteressante, não sei se foi por culpa do roteiro ou se foi por má vontade do ator na hora de interpretar, mas o vilão Franz Oberhauser líder da Spectre, interpretado pelo ator Christoph Waltz (Django, Bastardos Inglórios), é beeeeem mais ou menos, não parece ser mesmo um vilão do 007, só parece ser um psicopata qualquer que conseguiu ganhar muito poder com o passar do tempo, mas não da uma sensação de que pode mesmo fazer mal e prejudicar James, o cyber-terrorista Raoul Silva de Skyfall foi muito melhor e passa essa sensação. A impressão que tive é que os antagonistas e coadjuvantes foram mal trabalhados no roteiro dessa vez, Dave Bautista (o Drax de Guardiões da Galáxia) que faz o calado capanga Mr. Hinx de Oberhauser, é uma das melhores coisas do filme e que pareceu ser até mais perigoso que seu chefe, pena que teve pouco tempo de tela, acredito que ele era para ser o novo Jaws (só quem não gosta de 007 que não lembra!), pois logo na primeira cena mostra o capanga usando umas unhas metálicas nos polegares das mãos, mas que não aparecem mais durante todo o filme, foi dado uma certa importância durante a cena de apresentação do vilão para este detalhe que achei que seria melhor aproveitado. Léa Seydoux é a bond girl da vez, ela interpreta Madeleine Swann, mas sei lá viu, ela não tem a mesma pegada que Eva Green (Vesper Lynd de Cassino Royale) ou Bérénice Marlohe (Sévérine de Skyfall) tinham nos filmes anteriores, a personagem não tem a mesma sensualidade, carisma ou aparenta ser tão forte como Vesper e Bérénice foram.

Enfim, o filme não é dos piores dessa fase Daniel Craig, é tranquilamente melhor que Quantum of Solace, parece que os roteiristas tentaram fazer algo parecido com o que foi feito em Skyfall, mas em algum ponto perderam o foco da trama e acabou saindo o que se vê no filme, este não se iguala ou supera o filme antecessor ou o primeiro, possui umas falhas de roteiro que prejudicaram a história, que poderia ter sido bem melhor trabalhada e que dariam muito mais importância e desenvolvimento para a trama, seria realmente uma pena se esse for o último filme com este ator, não seria um bom fechamento de história ou até mesmo uma boa história para que o próximo ator possa dar continuidade.

NOTA de 007 Contra Spectre: 2,98 de 5.

Nenhum comentário :

Postar um comentário