4 de julho de 2015

FUI VER Divertida Mente - A Pixar voltou ao normal!

Fui assistir essa semana o mais novo filme da PIXAR, o Divertida Mente (Inside Out, 2015) que estreou nos cinemas brasileiros no último dia 18 de junho, bom na verdade, fui ao cinema com a intenção de assistir o Jurassic World, só que no site e guia de programação do Cinemark mostra uma coisa e lá na hora não tem a sessão que tem no guia, mas enfim, não é esse o assunto agora.

Mas vou te falar em, que excelente troca que fui forçado a fazer, porque tenho certeza que não iria sair tão satisfeito do cinema após assistir o Jurassic World, como sai satisfeito e contente do cinema após assistir o Divertida Mente.
Porque que o titulo do post tem "A Pixar voltou ao normal!"? Por um simples motivo, desde o UP - Altas Aventuras, que é de 2009, a Pixar não fazia um filme tão bom e com as suas características já conhecidas e que estávamos acostumados a ver em filmes como Vida de Inseto, Os Incríveis, Wall-E, entre outros, tem gente que fala que o Toy Story 3 foi o último bom filme dela antes do Divertida, eu já não achei tão bom assim. Mas enfim, estava deixando a desejar nas características que marcaram tanto as produções da Pixar e faziam das animações, mais do que desenhos para crianças em três dimensões, sempre com um bom roteiro, uma boa mensagem, sentido na história, algo inovador na produção e de exemplo de criatividade sem igual, seja ela uma história de amor como em Wall-E ou uma aventura de super heróis como em Os Incríveis.

Pois bem, a sinopse do filme é a seguinte: "No filme, a menina Riley passa por diversas emoções ao se mudar do Meio-Oeste dos EUA para San Francisco. As emoções - Alegria, Medo, Raiva, Nojinho e Tristeza - moram no Quartel-General, o centro de controle dentro da mente de Riley, onde eles a ajudam com conselhos diariamente. Enquanto Riley e suas emoções se esforçam para se ajustar à nova vida em San Francisco, a turbulência no Quartel-General aumenta. Embora Alegria, a principal e mais importante emoção de Riley, tente pensar positivo, as emoções entram em conflito sobre como navegar pela nova cidade, a nova casa, a nova escola.", veja o trailer do filme abaixo.


Como disse lá no começo, fui ao cinema na intenção de assistir o Jurrasic World e não consegui porque no site uma coisa e na prática é outra hora que fui no Cinemark, acabei assistindo o Divertida Mente por esse motivo e fiquei muito contente com a troca, porque que filme lindo! Com uma história bem contada, bem humorado, emocionante, com uma boa mensagem e lição de vida, ou seja, tudo o que se espera de um bom filme feito pela Pixar.


Painel de Contra da Riley e os "pilotos"
A história da um ponto de vista de como funciona a cabeça das pessoas, como é o comportamento das emoções, como elas controlam as nossas ações e reações e como seriam suas aparências, jeito de agir e falar. A Alegria é sempre muito agitada. vê o lado bom de tudo e sempre está disposta e empolgada para fazer algo, é também a primeira emoção a surgir na cabeça da Riley logo que ela nasce e é chefe da Central de Comando; a Tristeza já é o oposto, sempre desanimada, vê somente o lado ruim das coisas e nunca quer fazer nada, foi a segunda a surgir na cabeça; já o Medo é sempre muito cuidadoso, procurando sempre o que pode dar errado e como evitar esses erros; a Nojinho tem aparência daquelas meninas frescas e que sempre estão com cara de nojo de tudo e todos, bom o jeito dela ser e agir já mostra pelo o que ela é responsável; a Raiva é sem paciência para tudo, apressado demais, grosso e sempre disposto para uma boa briga.

Não vou entrar muito na história, acho melhor e mais você ir assistir do que eu falar tudo o que acontece aqui, mas tem partes muito engraçadas, como quando Alegria e Tristeza encontram os operários responsáveis pelas memórias de longo prazo e do nada eles resolvem sacanear a mente e mandar de volta aquela memória da música chata/chiclete que sempre vem na cabeça e demoras horas para sair, tem momentos muito emocionantes como a hora em que a Alegria percebe o porque da Tristeza estar sempre falando que as boas memórias dela são todas as versões tristes das memórias alegres da Alegria e que isso só é assim porque alegria e tristeza sempre estão juntas e uma antecede a outra e com isso ela agora ela sabe como resolver o problema que ela está enfrentando.


Assisti o filme na versão dublada e sempre fico com a impressão que quando se trata de uma animação, o trabalho de dublagem é melhor feito, com mais cuidado e se preocupa com que saia algo bom como o original, ao contrário na maioria dos filmes e séries, que quando são dublados ficam uma coisa estranha e que pouco lembra o original, exemplo de total diferença entre o original e o dublado, o Coringa do segundo filme do Batman, a dublagem não é mal feita, só que a emoção e a interpretação do dublador não passa o mesmo sentimento que o original. Então nesse filme acho que mesmo os dubladores não serem acostumados a fazer esse trabalho, conseguiram fazer algo bonito e muito bem trabalho, pois não lembro de ter visto algo que a humorista Dani Calabresa, ou as globais Miá Mello e a Katiuscia Canoro, tenham feito como dubladoras e nesse filme elas foram muito bem dirigidas e não deixam a desejar.

Então se você não foi assistir por achar que é só mais um desenho para criança (é também...), vá assistir, é um ótimo filme, ele vai te deixar mais animado, vai te fazer pensar em algumas coisas sobre a vida sim, de preferência vá com alguém que você possa compartilhar e conversar sobre o que entendeu do filme. O meu entendimento foi que: "tudo na vida tem dois lados, nunca serão momentos 100% alegres ou 100% tristes, sempre vai ser uma mistura de emoções e sentimentos e que temos que aprender a lidar com isso, só assim da para vivermos melhor e de bem com você!", bom como eu disse, isso foi o que eu entendi, vá lá e assista e tenha a sua interpretação do filme.

Nenhum comentário :

Postar um comentário